Coragem para Mudar o Brasil

Coragem para Mudar o Brasil

domingo, 6 de abril de 2014

Atuação do Gabinete do Vice-Governador destaque em jornal

O jornal CORREIO DO POVO, edição de Domingo (06), destaca atuação do gabinete do Vice-Governador do Rio Grande do Sul, Beto Grill (PSB), em relação ao trânsito no estado. O trabalho realizado pelo Comitê Estadual de Mobilização pela Segurança no Trânsito é destacado na coluna de Oscar Bessi Filho.
O autor traça um paralelo entre a função de formação de Beto Grill - que é médico - com o trânsito que está doente. Oscar Besssi Filho lembra que o olhar carinhoso do médico e dedicado, algo que ele nota no convívio com Beto Grill, são os sentimentos necessários para a  busca da mudança nas atividades de trânsito cada vez mais em "falência de órgãos".
Confira o artigo na íntegra abaixo:


O vice-governador do Rio Grande do Sul, Beto Grill, é médico. E a maioria dos médicos tem esse jeito preocupado de olhar a humanidade. Salvar vidas é o que os fascina. A gente vê a sinceridade disso ao conversar com eles. Pelo brilho no olhar e uma bela carga de sentimento que não se disfarça. Os
bons médicos têm disso. Sentimento. Lembro do saudoso Scliar em encontros literários na Capital. Por mais que a fama, a mídia e o reconhecimento o tivessem colocado num patamar muito acima de nós, escritores comuns a degustar sua presença, ele não perdia aquele jeito de olhar. Cheio de calma e ternura. Ternura de médico.
Quando encontro Beto Grill, e nele reconheço esse olhar humano, lembro do Scliar. E lembro do Dr. Marcos Müller, da minha cidade, que já perdi a conta de quantas vezes largou o que fazia para salvar a vida do meu pai e da minha mãe.
O trabalho desenvolvido pelo Comitê Estadual de Mobilização pela Segurança no Trânsito, do gabinete do vice-governador, requer a paciência e a dedicação dos mais complexos tratamentos médicos. O trânsito é um corpo doente, onde muitos órgãos parecem degenerados. As mortes se repetem a todo instante e não há
diagnósticos favoráveis. Dramas diários de violência desesperam famílias. Abusos se repetem e se multiplicam.
As condutas no trânsito infelizmente estão permeadas por uma educação umbilical, egocêntrica e exibicionista, despida de humanidade e do simples pensar no próximo. Pressa e prepotência empurram
e atropelam as almas. A saturação, a tensão e a asfixia, provocadas pelo desproporcional crescimento do número de veículos automotores que invadem nossas ruas, mostram a pior das faces do capitalismo desmedido: quando só o lucro e a produção importam, só as vendas contam, nada além das cifras monumentais e nenhum espaço, mas nenhum mesmo, para limites éticos ou suportáveis de um contexto sadio. As obras públicas vêm secularmente vistas como normais na mesma proporção em que se tornam
a cada dia mais excludentes ou superfaturadas, jogando ao salve-se como puder os demais personagens do contexto, como pedestres e ciclistas, idosos, crianças e cadeirantes. Há lugares por aí onde se promete irresponsavelmente asfalto como mero inimigo do pó, quando, se malfeito, ele vira inimigo é da vida.
Estive no encontro regional realizado no Vale do Caí. Com a parceria da Brigada Militar, de policiais rodoviários, prefeituras e guardas municipais de trânsito, o Comitê conseguiu resultados favoráveis.
Mas é um tratamento longo. O médico está disposto, sua equipe mais ainda. Só precisam de uma mudança de comportamento do paciente. Consciência. Pensa que a gente só vai conseguir
combater essa doença ao sentir a dor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário